Voltar 03 abr 2019
  • 19482494854427c.jpg
  • 19482642506242I.jpg

O Roadshow do Comércio Digital, parou, esta terça-feira, em Cantanhede. A sessão contou com uma audiência de cerca de oitenta comerciantes e empresários da região. “Estes temas são de extrema importância e já ninguém pode escapar a esta realidade”, referiu Luís Roque, Presidente da Associação Empresarial de Cantanhede (AEC), na abertura do evento. O Presidente defendeu ainda que “a concorrência é feroz e já atua neste mercado digital, ou seja, quem não estiver presente, vai perder o comboio e ficar para trás”, disse.

Para António Teixeira, coordenador do Programa Comércio Digital, “os números do comércio eletrónico são impossíveis de ignorar pelas empresas portuguesas, sejam estas micro, pequenas, médias ou grandes”. De acordo com António Teixeira, no estudo realizado pela ACEPI e pela IDC, “em B2B, isto é, de empresa para empresa, em 2025 prevêem-se cerca de centro e trinta biliões de euros em transações comerciais através da Internet”. Em termos estatísticos, cerca de 60% das empresas nacionais não têm qualquer presença digital. Ora, para o coordenador do programa da ACEPI, estes dados “são dramáticos e devem fazer refletir as empresas em Portugal”, reiterou.

A sessão incluiu também uma formação sobre Marketing Digital, focada nos temas “porque é que é importante a presença digital nas empresas de comércio e serviços” e “como captar novos clientes e aceder a novos mercados com o digital”. Eduardo Sampaio, consultor de Marketing Digital, entende que “mais importante do que conhecer as técnicas e ferramentas do Marketing Digital é saber quem é o seu público-alvo, o seu cliente e compreender a jornada do consumidor atual”, explicou. O formador partilhou várias formas, dicas e ideias de trabalhar a presença online de uma empresa, de modo a ativar e efetivar a respetiva marca no mundo digital. Além da importância de estar online, em que plataformas estar presente e como atrair público e potenciais clientes, Eduardo Sampaio referiu ainda a relevância da monitorização e análise dos dados que esta presença na Internet fornece.

O evento fechou com um debate sobre sistemas de pagamentos online, transporte e logística e o livro de reclamações eletrónico, que será obrigatório para todas as atividades económicas a partir de dia 1 de julho deste ano. O Comércio Digital segue viagem com o Roadshow por Portugal e pretende colocar online cinquenta mil empresas até 2020.

 

Fonte: comerciodigital.pt

Partilhe este artigo nas redes sociais